22 de abr de 2019

EM 22 DE ABRIL DE 2017 FALECIA DR. MILTON MARQUES DE MEDEIROS


A cidade de Mossoró lamentava a perda do amigo, empresário, médico, companheiro, cidadão do bem, MILTON MARQUES DE MEDEIROS, que nos deixou. O seu falecimento ocorreu em Fortaleza-CE, onde o mesmo estava internado.

Seu corpo será velado na Loja Maçônica 24 de Junho, centro de Mossoró, a partir de 01:00 da manhã.

A missa de corpo presente foi no dia seguinte, às 15hs na Capela de Santa Teresinha. Em seguida foi sepultado no Cemitério São Sebastião, nesta cidade.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

21 de abr de 2019

QUARTA-FEIRA SANTA

Clerisvaldo B. Chagas, 18 de abril de 2019
Escritor Símbolo do Sertão Alagoano
Crônica: 2.094 – Literatura viva
Aos escritores alagoanos

 
Lembrei-me do antigo relógio da Matriz como se aguardasse as doze badaladas costumeiras. Nem era meia-noite ainda. A grande lua redonda sorria como nunca no céu límpido, extremamente iluminado. Silêncio sepulcral na minha rua, ausência total de humanos, talvez somente almas em passeio noturno. Uma brisa leve soprava como algo vivo; e apenas um gato gordo e peludo mostrava-se na via tentando escalar certa árvore adormecida. O riso do céu continuava na Quarta-Feira Santa, bela e lúgubre numa solidão de fim de mundo. Veio à mente a novela “Noite” de Érico Veríssimo; a matraca de luto agitada pelo saudoso sacristão Jaime; o comprido das procissões; sons harmoniosos e inexistentes de violão boêmio. Um arrepio na pele. 
 
                                     (FOTO: B. CHAGAS).
Lá no alto do relevo perto e longe, uma luz de poste acenava. Para quem se mostrava aquele foco? Tristonho como o roxo dos panos que esconde os santos, solucei sem soluços. Sarjetas enxutas, natureza morta, silêncio calado na minha rua, em todas as ruas... Metais reluzentes nas antenas retorcidas, ausência de pirilampos, nem um grito dentro da noite, nem metamorfose de bitucas na calçada. Espicho o pescoço ignorante. Monto no tempo e revejo o leito seco do rio ali pertinho, a areia grossa, a languidez de outra Semana Santa, no passeio solitário do poeta. Novamente o hálito misterioso daquele dia e desta noite soma-se às dores de Maria e sopra no coração do sutil observador da rua. O que estará pensando os céus?
Recolho-me à noite de dentro, à noite sem o riso farto da lua cheia, ao mundo das filosofias, dos enigmas, dos idílios reticentes ou das virtudes duvidosas. Portão fechado, passos de bichano, um café pequeno que transgride a hora, perguntas mudas, respostas sem tempo... Uma implosão de ais. Não sei se a madrugada entra na Semana Santa ou se a Semana Santa entra pela madrugada. Será que o gato subiu na árvore? Será que surgiu algum retardatário na rua? Não posso responder pelas bitucas, nem pela luz do poste que imita estrela. Estou perdido e achado dentro da “Noite” de Érico Veríssimo, de um conto de Fábio Campos ou da angustiosa vivência de Jesus.
Hoje é noite de quarta-feira, de Quarta-Feira Santa.


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

20 de abr de 2019

ZÉ CIRILO, O HOMEM QUE A CANGACEIRA DADÁ QUERIA OUVIR ASSOBIAR DÁ ADEUS

*Rangel Alves da Costa

Poço Redondo, no sertão sergipano, perdeu hoje, aos 101 anos, um dos maiores personagens de sua história: José Cirilo dos Santos.
A Família Cirilo, aliás, que tantas raízes e frutos bons floresceu ao longo dos anos pelos rincões sertanejos, bastando citar alguns nomes: Ireno, Pai Né, Aduilson, Marietinha e outros irmãos.
Pois bem. José Cirilo, ou apenas Zé Cirilo, era dessa seara de pessoas honradas e distintas de Poço Redondo. Ao lado da saudosa Doce, gestou um seio familiar com filhos de igual distinção, dentre os quais o saudoso Zé Rivaldo, Edileuza, Izo, Aduilson, Mazé, Djanira, Marineide e outros.
Homem da terra, da vida simples, sempre foi mais apegado aos afazeres da digna sobrevivência. Viveu muitos anos, mas os anos vividos como se fossem num singelo e humilde calendário.
Mas também personagem histórico desde os tempos do cangaço, pois aquele assobiador que ao longe teve o assobio apreciado pela famosa cangaceira Dadá, companheira de Corisco, mas que, amedrontado, não conseguiu que mais nada saísse de sua boca quando ordenado que continuasse sua melodia, no episódio que fiou conhecido como A Vingança Cangaceira e a Morte dos Soldados Sisi e Tonho Vicente, pelos arredores da Estrada de Curralinho, onde hoje há As Cruzes dos Soldados.
Tal episódio envolvendo Zé Cirilo foi narrado com maestria por Alcino Alves Costa em seu livro “Lampião Além da Versão – Mentiras e Mistérios de Angico”. Assim relata o saudoso escritor:


“O primeiro a receber voz de prisão foi o pai de Zabelê, depois foi à vez de Dorcelino, Melonia, Mané Azedinho, Antônio Lucas, Enoque, Baiá, Antônio Silva, Ercílio de Lulu, Virgilio Rozendo, João Mulatinho, que mais tarde seria o cangaceiro Delicado, e por último vem Zé Cirilo, um dos filhos de João Cirilo; o rapaz viaja montado num jumento, com serenidade, sem nada desconfiar, assobia antiga canção. Dadá escuta-o com atenção. Fica impressionada com a competência do assobiador e ao prendê-lo ordena-lhe que continue assobiando a mesma cantiga. Apavorado e pensando que os cangaceiros iriam judiá-lo, ou até mesmo matá-lo, o moço, apesar do grande esforço que fez para atender ao pedido da famosa bandida, não conseguiu que de sua boca saísse nem um único piu, quanto mais assobiar. Não tinha forças. Não tinha coragem. Estava esmorecido, sem ação e sob os risos da cangaceirada; o moço teve a sorte de ter sido compreendido por Dadá que não insistiu com seu pedido, também sorrindo com o pavor estampado no rosto do mocinho de Poço Redondo”.
Mas hoje Zé Cirilo partiu, deu adeus aos seus, rumando aos horizontes celestiais. Que a melodia no seu assobio seja lá em cima apreciada para festa dos céus.


Escritor
blograngel-sertao.blogspot.com

15 de abr de 2019

A LENDÁRIA FAZENDA ABÓBORA PARTE 1

Por Rostand Medeiros
Sede da Fazenda Aboboras

Desde que comecei a ler temas relacionados ao ciclo do cangaço, a sua figura maior, Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, e a história do Nordeste no início do século XX, um local em especial me chamava atenção pelas repetidas referências existentes em inúmeros livros. Comento sobre uma antiga propriedade denominada Abóbora, localizada na zona rural do município de Serra Talhada, próximo a fronteira com a Paraíba e não muito distante das cidades pernambucanas de Santa Cruz da Baixa Verde e Triunfo.

Vamos conhecer um pouco de sua história e da visita que realizei a este local.Uma Rica Propriedade. Quem segue pela sinuosa rodovia estadual PE-365, que liga as cidades de Serra Talhada a Triunfo, antes de subir em direção a povoação de Jatiúca e as sedes dos municípios de Santa Cruz da Baixa Verde e Triunfo, percebe que está em um vale cercado de altas serras, que dão uma beleza singular a região. Atrás de uma destas elevações se encontra a Fazenda Abóbora.

Até hoje esta fazenda chama atenção pelas suas dimensões. Segundo relatos na região, suas terras fazem parte das áreas territoriais de três municípios pernambucanos. Aparentemente no passado a área era muito maior. Ali eram criados grandes quantidades de cabeças de gado, havia vastas plantações de algodão, engenho de rapadura e se produziam muitas outras coisas que geravam recursos. No lugar existem dois riachos, denominados Abóbora e da Lage, que abastecem de forma positiva a gleba.[1] Com tais dimensões, circulação de riquezas, no passado o lugar era ponto de parada de muitos que faziam negócios na região e transportavam mercadorias em lombo de animais, os antigos almocreves. No lugar estes transportadores do passado eram recebidos pelo “coroné” Marçal Florentino Diniz, que junto com irmão Manoel, dividiam o mando na propriedade.

Manoel Severo e Rostand Medeiros

Informações apontam que Virgulino Ferreira da Silva, quando ainda trabalhava como almocreve, realizou junto com seu pai e os irmãos vários transportes de mercadorias entre as regiões de Vila Bela (sua cidade natal, atual Serra Talhada) e Triunfo.[2] Certamente em alguma ocasião, o jovem almocreve teve a oportunidade de conhecer a fazenda do “coroné” Marçal e de seu irmão Manoel. Além destes o almocreve da família Ferreira conheceu o impetuoso filho do fazendeiro Marçal, Marcolino Pereira Diniz.[3]

Chefe de bando inteligente e perspicaz, Lampião buscava antes do confronto, o apoio e as parcerias com os antigos proprietários rurais e assim agiu junto aos donos da Fazenda Abóbora. Após assumir a chefia efetiva de seu bando, depois da partida do seu antigo chefe, o mítico cangaceiro Sinhô Pereira, Lampião frequentou em várias ocasiões as terras da Abóbora, onde o respeito do chefe e dos seus cangaceiros pelo lugar estava em primeiro lugar.

Rodrigues de Carvalho, autor do livro “Serrote Preto” (1974), informa nas páginas 252 a 254 que ocorreu uma intensa e positiva relação de amizade entre Lampião e a família Diniz principalmente com o “jovem e pretensioso doutor” Marcolino Diniz, que chegou há cursar durante algum tempo a Faculdade de Direito em Recife, mas não concluiu. Esta relação ambígua de amizade entre estes ricos membros da elite agrária da região e o facínora Lampião foi posta a prova em duas ocasiões.


Marcolino Diniz, sentado, filho do poderoso Cel. Marçal Florentino Diniz

A primeira no dia 30 de dezembro de 1923, quando Marcolino Diniz é preso pelo assassinato do juiz de Direito Ulisses Wanderley em um clube de Triunfo. Marçal solicita apoio de Lampião para tirar Marcolino da cadeia, se necessário a força. Juntos vão acompanhados de um grupo que gira em torno de 80 a 100 cangaceiros armados. Não Houve reação dos carcereiros. A segunda ocorreu no mês de março do ano seguinte. Após o episódio do ferimento do pé de Lampião na Lagoa Vieira e o posterior ataque policial na Serra das Panelas, onde o ferimento de Lampião voltou a abrir e quase gangrenar, é a família Diniz que parte em socorro do cangaceiro. Marçal e Marcolino cederam apoio logístico para a sua proteção, transporte, medicamentos e plena recuperação com o acompanhamento dos médicos José Lúcio Cordeiro de Lima, de Triunfo e Severino Diniz, da cidade paraibana de Princesa. Sem este decisivo apoio, certamente seria o fim do “Rei do Cangaço”.[5]
Lagoa Vieira-Foto-Alex Gomes

Foi igualmente na propriedade Abóbora que Lampião conheceu Sabino Gomes de Gois, também conhecido como “Sabino das Abóboras”.[6] Frederico Pernambucano de Mello, autor do livro “Guerreiros do Sol-Violência e banditismo no Nordeste do Brasil” (2004), nas páginas 243 a 246, informa que Sabino efetivamente nasceu na Fazenda Abóbora, sendo filho da união não oficial entre Marçal e uma cozinheira da propriedade. Consta que ele trabalhou primeiramente como tangedor de gado, o que certamente lhe valeu um bom conhecimento geográfico da região.

Valente, Sabino foi designado comissário (uma espécie de representante da lei) na região da propriedade Abóbora, certamente com a anuência e apoio do pai. Organizava bailes e em um destes envolveu-se em um conflito, tendo de seguir para o município paraibano de Princesa. [7]

Depois, entre 1921 e 1922, acompanhou seu meio irmão Marcolino para Cajazeiras, no extremo oeste da Paraíba. Marcolino Diniz desfrutava nesta cidade de muito prestígio. Era presidente de clube social, dono de casa comercial, de jornal e tinha franca convivência com a elite local. Sabino por sua vez era guarda costas de Marcolino e andava ostensivamente armado. Nesta época Sabino passou a realizar nas horas vagas, com um pequeno grupo de homens, pilhagens nas propriedades da região. O autor de “Guerreiros do Sol” informa que teria sido Sabino que coordenou a vinda do debilitado Lampião para ser tratado pelos médicos José Lúcio Cordeiro de Lima e Severino Diniz. A amizade entre o “Rei do Cangaço” e o filho bastardo de Maçal Diniz, nascida na Fazenda Abóbora, teria então se consolidado a ponto deste último se juntar a Lampião e seu bando, em uma posição de destaque, no famoso ataque de cinco dias ao Rio Grande do Norte, ocorrido em junho de 1927.

Continua...

NOTAS
[1] Relatos transmitidos em entrevista gravada junto ao Sr. Antônio Antas, da cidade paraibana de Manaíra, em dezembro de 2008. O Sr. Antônio, parente de Marcolino Diniz, conviveu com o filho de Maçal quando este estava idoso e vivendo na Comunidade de Patos do Irerê. Vale ressaltar que é relativamente pequena a distancia da sede da Fazenda Abóbora para a cidade de Manaíra.
[2] Relato transmitido ao autor em entrevista gravada junto ao Sr. Antônio Ramos Moura, em agosto de 2006, em Santa Cruz da Baixa Verde.
[3] Para Frederico Pernambucano de Mello, autor do livro “Guerreiros do Sol-Violência e banditismo no Nordeste do Brasil” (2004), na página 244, afirma que Maçal Diniz conheceu Lampião e seus irmãos quando os mesmo já eram membros do bando de Sinhô Pereira, cangaceiro que igualmente recebeu proteção e apoio deste fazendeiro em 1919.
[4] Entrevista gravada com Antônio Antas, dezembro 2008.
[5] Sobre o combate de Lampião na Lagoa Vieira ver – tokdehistoria.wordpress.com/2011/02/10/quando-lampiao-quase-foi-aniquilado
[6] Segundo Frederico Pernambucano de Mello, Sabino também era conhecido como Sabino Gomes de Melo, Sabino Barbosa de Melo, ou ainda com os denominativos Gore, Gório ou Goa. Ver “Guerreiros do Sol-Violência e banditismo no Nordeste do Brasil” (2004), pág. 243.
[7] Rodrigues de Carvalho (pág. 164) afirma que Sabino nasceu na Paraíba, no lugar denominado Pedra do Fumo, então município de Misericórdia, atual Itaporanga. Pela lei estadual nº 3152, de 30 e março de 1964, o antigo distrito de Pedra de Fumo foi desmembrado do município de Itaporanga e elevado à categoria de município com a denominação de Pedra Branca, localizado a cerca de 20 quilômetros de Itaporanga. Pelo que escutamos durante nossas visitas a região, acreditamos que a versão do autor de “Guerreiros do Sol” é mais correta.

Rostand Medeiros, pesquisador e escritor
Natal, Rio Grande do Norte
Fonte: tokdehistoria.com


http://blogdomendesemendes.blogspot.com

13 de abr de 2019

PROGRAMA DA GLOBO, 8 OU 800....1976


O renomado pesquisador do cangaço, Dr. ANTÔNIO AMAURY CORREIA DE ARAUJO responde ás perguntas feitas sobre LAMPIÃO, pelo grande apresentador Paulo Gracindo, concorrendo ao grande prêmio.
..
Próximo da etapa final e, alertado por terceiros de que a emissora estava propensa a pregar uma peça sobre ele, o pesquisador desiste de participar da final do programa, mas foi recompensado com um grande prêmio, que já havia adquirido, por sua sensacional apresentação.


Foto: cortesia do famoso escritor


http://blogdomendesemendes.blogspot.com